Miomatose Uterina

Miomatose uterina: o que é e como tratar

O surgimento de um tumor no corpo é uma preocupação para qualquer pessoa. A tensão de se saber se é um tumor benigno ou maligno é grande. Por isso é preciso esclarecimento, para recorrer ao tratamento. A descoberta de uma miomatose uterina causa esses sentimentos, porém habitualmente não são tumores malignos e são passíveis de tratamento. A mulher pode ter uma vida tranquila após sua retirada. Mesmo que não sejam tão agressivos, entender o problema é fundamental.

O que é miomatose uterina?

Primeiramente, esses tumores não indicam câncer. Isso já alivia o pensamento de quem imagina todo o processo difícil de tratamento. Entretanto, são bem frequentes e bastante recorrentes no período fértil. Também são conhecidos como fibromas. São partes de tecido muscular liso do útero que podem ficar concentradas numa só estrutura ou não.

Podem alterar o tamanho do útero. Isso não significa que a mulher terá problemas para engravidar, mas, com o passar do tempo e sem o tratamento adequado, os miomas ocasionam alterações no fluxo menstrual, prensam órgãos próximos ao útero e podem causar muitas cólicas. Essas massas tendem a diminuir sem nenhuma intervenção após a menopausa.

Tipos de tumor

Existem 3 tipos e cada um deles pode apresentar um conjunto de sintomas, normalmente proporcionais ao tamanho deles, que indicam sua localização, necessidade de acompanhamento ou cirurgia.

  • Subserosos: Ficam na parte externa do útero. Se não retirados, podem aumentar de tamanho e pressionar orgãos internos;
  • Intramurais: Aparecem dentro da musculatura do útero. Podem causar aumento do fluxo menstrual e deixar uma sensação de peso a depender do tamanho do útero;
  • Submucosos: Seu maior volume encontra-se dentro da cavidade uterina, pressionando a mucosa que reveste o útero internamente. As menstruações podem ser mais demoradas e com maior fluxo.

Tratamento

Através de ultrassonografia ou ressonância magnética, o médico avaliará o tamanho e localização dos miomas em relação ao útero e outros orgãos e indicará o melhor tratamento para o caso. Suplementação de ferro e outras vitaminas e anti-inflamatórios irão amenizar a dor aguda e suprir os nutrientes perdidos pelo sangramento intenso. Hormônios também podem ser indicados para atrofiar o endométrio e diminuir o sangramento.

Pode-se optar por retirar apenas o mioma ou o útero inteiro a depender da paridade e da idade da paciente. A cirurgia pode ser feita via abdominal, vaginal, histeroscópica e/ou laparoscópica. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em Patrocínio e Patos de Minas.

Comentários

Posted by Dr. Rodrigo Tavares