contraceptivos não hormonais

3 contraceptivos não hormonais para você conhecer

Milhares de mulheres usam pílulas anticoncepcionais todos os dias, porém a busca por métodos contraceptivos não hormonais tem crescido nos últimos anos. A pílula ainda é um dos métodos mais seguros de contracepção, porém, seja por motivos de saúde, seja por opção, muitas mulheres tem escolhido deixar os hormônios de lado. É claro que os métodos não hormonais são tratamentos válidos e testados, mas a escolha e a transição precisam ser feitas com acompanhamento médico constante.

Quantos métodos contraceptivos não hormonais existem, e quais são?

Técnicas não hormonais para impedir a gravidez são várias, mas isso não quer dizer que todas são igualmente eficazes. O coito interrompido, por exemplo, é bastante utilizado, mas sempre perigoso; ele consiste na retirada do pênis antes da ejaculação, para que a carga de esperma não seja despejada no canal uterino. O perigo desta técnica é que o homem pode produzir um líquido pré-ejaculatório que é cheio de espermatozoides e então a interrupção do coito seria em vão.

A tabelinha é outra opção, um pouco mais segura, mas ainda muito passível de falhas. Ela consiste em evitar as relações sexuais desprotegidas no período de ovulação, conforme identificado pela mulher de acordo com seu ciclo.

Vamos falar, aqui, de algumas alternativas não hormonais que possuem um grau de eficácia maior e podem ser utilizados em conjunto com as técnicas mencionadas acima.

1. Preservativos masculinos e femininos

Em se tratando de prevenção não hormonal, os métodos de barreira são a melhor opção. Dentre eles, os preservativos são os mais populares e de fácil acesso. As famosas camisinhas, sejam masculinas ou femininas, impedem a concepção em mais de 90% dos casos. Só fique atenta: é preciso usá-las durante toda a relação e não apenas na hora da ejaculação.

2. Diafragma

O diafragma é um dispositivo de látex, bem flexível, que é inserido no fundo da vagina, para fechar o canal para o colo do útero. Existem tamanhos diferentes e cada um é apropriado para um tipo de vagina. Normalmente usado conjuntamente com espermaticida. Quando o melhor diafragma for apontado pelo ginecologista, ele poderá ser usado quando necessário, exceto em períodos menstruais. Ele deve ser bem posicionado 30 minutos antes do coito, e pode permanecer lá dentro por até 10 horas.

3. DIU de Cobre

O Dispositivo Intrauterino (DIU) de Cobre é uma opção popular e pode, inclusive, ser fornecido pelo SUS. Ele possui um formato de T e é colocado dentro da cavidade uterina. O cobre libera substâncias tóxicas para os espermatozoides, mas não para a mulher. Depois de inserido, pode ser preciso fazer exames de ultrassom anualmente para ter certeza de que ele continua no lugar.

Todos esses métodos são femininos, exceto a camisinha, que pode ser usada pelo homem. As técnicas masculinas são poucas, e geralmente pouco confiáveis, como é o caso do coito interrompido. A única opção igualmente eficaz para os homens, até o momento, é a vasectomia, uma cirurgia que pode ser revertida em último caso.

Antes de optar por quaisquer contraceptivos não hormonais, converse com seu ginecologista e decida pelo melhor para seu corpo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em Patrocínio e Patos de Minas.

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp