Hemorragia uterina

Hemorragia uterina – Conheça as principais causas e tratamento

Todos os meses, quando não há fecundação, o endométrio se descama e sua camada superficial é eliminada como sangue. Isso é o que chamamos de menstruação. Porém, pode ser que ocorra um episódio anormal, a hemorragia uterina ou metrorragia, que é um sangramento fora do ciclo menstrual, também conhecido como sangramento vaginal.

Conheça as causas

Mulheres de todas as idades podem ter metrorragia. Porém, as causas para esse distúrbio são distintas em cada fase da vida, incluindo desde ciclos menstruais irregulares até tumores malignos.

A principal preocupação quando há esse tipo de sangramento é a possibilidade de que ele seja um sinal prévio do câncer de útero. O câncer pode afetar as duas partes do útero, o colo e o corpo. A prevalência de cada um depende basicamente da idade e do contato com o vírus HPV.

Lesões nos órgãos genitais, que podem ser causadas por alguma doença ou trauma, hemorragias da gravidez, pólipos, que são tumores que surgem do útero, miomas uterinos, infecções e o uso do dispositivo intrauterino (DIU), também podem originar esse distúrbio.

Dessa forma, é importante prestar atenção na hemorragia fora de época, uma vez que pode indicar causas simples, que podem ser facilmente tratadas, ou mais graves, que demandam maior cuidado.

Fique atenta aos sinais e sintomas

É possível identificar a hemorragia uterina quando ocorre sangramento fora do período menstrual ou as características do sangramento são incomuns (quantidade, duração e aspecto). Como as causas desse distúrbio podem ser bastante variadas, é possível que outros sintomas estejam presentes, entre eles dor e alterações no abdômen, febre e, caso haja sangramento prolongado e intenso, anemia.

Entenda como é feito o diagnóstico

A metrorragia pode ser diagnosticada após o relato dos sintomas pela paciente e um exame físico. Porém, outros exames também podem ser importantes para identificar as suas causas, como o Papanicolau, a colposcopia, a biópsia endometrial, ultrassonografias, ressonâncias magnéticas e hemogramas, que serão utilizados pelo profissional da medicina de acordo com cada caso.

Por exemplo, caso haja muita perda de sangue, pode ser feito um hemograma e uma biópsia do endométrio, exame que avalia pequenos pedaços do interior do útero, como o intuito de indicar com precisão se há câncer na região.

Saiba quais são as formas de tratamento

Por ser um distúrbio que pode ter causas diversas, o tratamento da hemorragia uterina pode ser diferente de paciente para paciente, dependendo do que a gerou. Dessa forma, a história da mulher que está com sangramentos incomuns e os exames realizados indicam a melhor forma de tratamento. Dependendo da hemorragia e da idade da paciente, pode ser necessária a prescrição de antibióticos, hormônios ou a remoção do DIU.

Uma nova técnica está sendo utilizada pelos médicos, chamada de ablação de endométrio por histeroscopia, que colabora para a redução dos casos em que o útero precisa ser removido.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em Patrocínio e Patos de Minas.

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp