prevenir doenças ginecológicas

Principais doenças ginecológicas: como prevenir?

Em primeiro lugar, é importante destacar que a ida ao ginecologista, semestral ou anualmente, é essencial quando o assunto é fazer a manutenção e a prevenção de doenças. Com a realização periódica dos exames ginecológicos, é possível saber se há algum cuidado extra, tratamento ou intervenção a ser feito, mantendo sua saúde íntima em dia.

Para além do diagnóstico e do tratamento, no entanto, é preciso ter em mente que as doenças ginecológicas podem ser prevenidas com conhecimento e os cuidados necessários. Acompanhe o artigo!

Principais problemas ginecológicos e suas formas de prevenção

Síndrome dos Ovários Policísticos

Conhecida também como SOP, esta doença atinge cerca de 10% das mulheres, e está relacionada a alterações hormonais que propiciam a formação de cistos.

Em caso de não tratamento, a mulher corre o risco de não engravidar e, ao longo dos anos, do surgimento de um câncer de endométrio. A prevenção da síndrome e suas possíveis consequências pode ser feita por meio de uma alimentação saudável, realização de atividades físicas e acompanhamento ginecológico periódico.

Mioma Uterino

O fibroma uterino consiste em um tumor benigno localizado no útero, atingindo mulheres na fase fértil e no começo da menopausa. A maior parte das mulheres não apresenta os sintomas da doença, mas alguns deles são: sangramento intenso na menstruação, dor na relação sexual, infertilidade e cólicas intensas.

A melhor maneira de controlar o mioma é fazer a ultrassonografia periódica, visando verificar precocemente a aparição do problema e, caso tenha necessidade, realizar a cirurgia com o ginecologista.

Candidíase

É uma infecção ocasionada por um fungo, a Candida Albicans, e não é considerada uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), porque seu surgimento independe do contato íntimo. A candidíase causa corrimento, que faz com que haja muita coceira no local.

Para se prevenir da doença, algumas medidas podem ser tomadas: evitar passar muito tempo com o biquíni molhado (a umidade excessiva permite que haja maior chance de proliferação do fungo); não compartilhar toalhas e roupas íntimas; evitar o uso demasiado de absorventes internos e cuidar da higiene íntima de forma geral são os principais cuidados.

HPV

O Papiloma Vírus Humano possui mais de cem tipos e ainda não tem uma cura, mas pode ser controlado. Presente na pele e mucosas, o vírus pode ocasionar verrugas na pele, nas regiões anal, genital, oral e da uretra. A transmissão se dá por meio de relações sexuais sem proteção.

É importante lembrar que a falta de tratamento pode acarretar em câncer de colo de útero, fazendo com que seja ainda mais importante honrar a rotina de exames ginecológicos. A melhor maneira de se prevenir contra o HPV é utilizando o preservativo.

Vulvovaginites

São causadas por uma infecção na vulva, vagina e colo de útero, que aparece na maioria dos casos por fungos, protozoários e bactérias. Em geral, seu surgimento está ligado à baixa de imunidade. Os principais sintomas são coceira intensa e corrimento (que pode surgir com ou sem cor).

Para evitar o problema, evite utilizar papel higiênico que contenha perfume, roupas apertadas, calcinhas de tecido sintético e duchas vaginais.

Priorize sua saúde!

São muitas as doenças ginecológicas mas, em todos os casos, não há mistério: a prevenção é o melhor tratamento. Priorizar sua saúde íntima é valorizar sua qualidade de vida. Mantenha acompanhamento ginecológico e siga as devidas orientações no seu dia a dia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em Patrocínio e Patos de Minas!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp